AFINAL: PEIXES SENTEM DOR?

Instituto Smithsonian publica artigo no qual “comprova” as dores dos peixes; mas meio científico não tem opinião unânime 


Uma dúvida inerente ao mundo científico e aos amantes da pesca é: peixes sentem dor? Quem iniciar uma pesquisa vai encontrar pesquisadores garantindo que sim, outros que não.





No entanto, de acordo com um artigo recente do Instituto Smithsonian (EUA), existem evidências capazes de comprovar que os peixes sentem dor. Mas não há como determinar se na mesma intensidade dos humanos.

O artigo cita que “no nível anatômico, os peixes têm neurônios conhecidos como nociceptores”. Estes detectam danos potenciais, como altas temperaturas, pressão intensa e produtos químicos cáusticos. Os peixes produzem os mesmos opioides – os analgésicos inatos do corpo – que os mamíferos fazem.

Em um estudo, os pesquisadores lançaram cachos de blocos de Lego em tanques contendo trutas arco-íris. A truta normalmente evita que um objeto desconhecido seja introduzido de repente em seu ambiente, caso seja perigoso. Mas quando os cientistas deram à truta arco-íris uma dolorosa injeção de ácido acético, eram muito menos propensos a exibir esses comportamentos defensivos. Isto presume que estavam distraídos por seu próprio sofrimento.

Em outro estudo, trutas arco-íris que receberam injeções de ácido acético em seus lábios começaram a respirar mais rapidamente. Balançaram para frente e para trás no fundo do tanque, esfregaram seus lábios contra o cascalho e o lado do tanque.

Os peixes injetados com ácido e morfina também mostraram alguns desses comportamentos incomuns, mas em menor grau. Enquanto os peixes injetados com solução salina nunca se comportaram de maneira estranha.


Outro lado 

Em 2016, Brian Key, professor da University of Queensland, publicou um artigo intitulado “Por que os peixes não sentem dor” em um jornal interdisciplinar sobre sentimento animal. O Instituto Smithsonian lembra que, até agora, o artigo de Key provocou mais de 40 respostas de cientistas de todo o mundo. Quase todos rejeitando suas conclusões.

O argumento central do pesquisador é que os estudos ostensivamente demonstrando dor nos peixes são mal planejados. Mais fundamentalmente, os peixes não possuem cérebros suficientemente complexos para gerar uma experiência subjetiva de dor.

Em particular, Key enfatiza que os peixes não têm o tipo de córtex cerebral grande, denso e ondulante que humanos, primatas e outros mamíferos possuem. O córtex o latido, é considerado crucial para as percepções sensoriais e para a consciência.

Comentários