Apresentando o material para pesca de Fly







Material de Fly


Nesse artigo falaremos sobre o material necessário para a pescaria da modalidade de Fly fishing.

Desde já, lembramos que "na natureza não existem regras", palavras de um amigo, que sempre enfatizou que não é o material da marca X ou Y que determinará o sucesso ou o fracasso na pescaria.

Esse alerta se faz necessário uma vez que o material de Fly distingue-se dos outros em diversos aspectos, tais como: Preço, lojas especializadas, fabricantes, modelos etc.

Então o foco do artigo será a apresentação dos materiais necessários, onde serão citados alguns exemplos de uso e especificações técnicas.

Devido o assunto ser abrangente o artigo possuirá continuações, para que possamos detalhar melhor cada equipamento.


Vara de fly

Muitas dúvidas surgem quanto a escolha da vara utilizada para quem deseja iniciar na modalidade de Fly, então vamos fazer uma breve apresentação do material, onde o mesmo receberá um artigo específico e com mais detalhes.

Devido na pescaria com Fly as iscas possuírem pouco peso, a ação da vara assume destaque para o arremesso, onde o conjunto (vara + linha + Leader + isca), de forma mecânica com a energia proporcionada realizam o arremesso.

A partir desse entendimento destacamos a importância de manter um equipamento equilibrado, para que esse o conjunto esteja em total harmonia proporcionando bons arremessos e preservação do equipamento. Outro ponto  que podemos destacar é a saúde do pescador, uma vez que a execução de diversos arremessos com um conjunto inadequado pode causar lesões musculares devido ao esforço físico desnecessário.


Numeração das varas de Fly

As varas de Fly possuem numerações que iniciam da 0 a 15. Essa numeração foi uma forma de padronização, porém mesmo assim as varas podem variar de fabricante para fabricante.

Como informado anteriormente as varas de Fly possuem uma numeração para padronização, o que auxilia o pescador na escolha da vara ideal, para o tipo de peixe que deseja capturar.

Lembramos que não é uma regra usar uma vara numero #4 para a pescaria de tilápias por exemplo, ressaltamos que  a escolha do equipamento é pessoal e varia de pescador para pescador. Através do quadro abaixo apresentaremos uma referência de Tipo de Vara x Peixe, para os iniciantes terem uma noção no momento da escolha do equipamento.

  • Categoria ultraleve (#0 e #1), para os menores peixes;
  • Categoria leve  (#0 a #4), para peixes pequenos ( piabas, saicangas, tilápias, lambaris, sardinhas);
  • Categoria média  (#5 a #7), para peixes de tamanho médio (piraputangas, pitubas, pacus, tucunarés menores, robalos, traíras);
  • Categoria pesada (#8 a #10), para peixes grandes: (tucunarés amazônicos, dourados grandes, apapás, bicudas, cachoras, Tambacus);
  • Categoria superpesada (#11 a #13), para peixes mais violentos e fortes (xaréus, tarpons e sernambiquaras);
  • Categoria específica (#14 e #15), para peixes especiais (peixes de bico).

A ação das varas de Fly

A vara de fly pode ter ação muito rápida, rápida, moderada, lenta ou muito lenta. Para quem está começando, aconselha-se o uso de varas de ação moderada, que permitem ao iniciante aprender melhor a lidar com o tempo.




O que é Spey?

Spey casting é uma técnica de elenco utilizada na pesca com mosca. Spey casting pode ser realizado com uma haste de mosca de comprimento normal, ou uma haste referida como uma haste de mosca de mão dupla, geralmente chamada de uma haste de Spey.

Spey casting é usado para pescar em grandes rios o salmão e trutas grandes, como a truta de aço e trutas do mar. Todas essas situações exigem que o pescador lance moscas grandes distâncias longas.

A técnica Spey de duas mãos permite moldes mais poderosos e evita obstáculos na margem, mantendo a maior parte da linha na frente do pescador.



Carretilha de Fly

A carretilha de Fly é considerada um grande armazém de linha, possui diferenças nas técnologias referentes a quantidades de rolamentos, variedades de freios, materiais etc.

Assume grandes responsabilidades no momento da captura do peixe, pois algumas caracteristicas tais como: peso, modelo, material, capacidade de armazenamento, possuem influência relevante no momento da pescaria.

Os tamanhos seguem os mesmos das varas, porém alguns fabricantes projetam modelos para atender 2 ou mais modelos de varas, são os casos de carretilhas com numeração 5/6 ou 3-5.


Linhas de Fly

A diferença básica desta modalidade para outras é que  a linha que leva a isca (mosca) ao peixe, assim ela tem peso e, este aumenta conforme a sua numeração (até 15). Constituída de duas partes – alma e revestimento (coating) em material sintético –  com comprimento variando entre pouco mais de 10 a 30m (sempre dependendo do tipo e fabricante).

As linhas de Fly possuem diversas cores, isso pode causar alguma dúvida aos iniciantes na modalidade, porém as cores não interferem no resultado. A variação de cores é apresentada devido a diversidade de fabricantes e atendem os pescadores que desejam manter uma combinação de cores em seus conjuntos, exemplo carretilha azul e linha azul ou branca.

Disponibilizaremos um artigo específico para linhas de fly, onde apresentaremos os diversos modelos existentes no mercado.


Para os iniciantes no Fly, o importante é saber que existem linhas:

Floating – F (flutuante)
Linhas que flutuam são as mais indicadas para os iniciantes, pois são fáceis de serem arremessadas e obviamente, para a pesca com moscas flutuantes.

Intermediate – I  (intermediária)
Ligeiramente mais densas do que a água, afundam devagar para apresentar a mosca abaixo da superfície.

Sinking – S (afundante)

Linhas densas que afundam a velocidades variáveis – adquire-se a linha com a pretendida razão de afundamento. Alguns fabricantes adicionam um numeral romano após o “S” para mostrar quão rápido é o afundamento em polegadas por segundo. Exemplo: uma S III irá afundar a razão de 3 polegadas por segundo.


No mercado as linhas podem ser encontradas com as seguintes especificações por exemplo :

Modelo: WF (weight forward) com peso concentrado na parte inicial da linha, o que facilita muito o arremesso.

Número da linha: Seguem a seguinte escala (0-15), por exemplo #4.

Densidade da linha: Floating – F , Intermediate – I , Sinking – S.

Assim podemos encontrar a seguinte especificação para uma linha WF#4F.



O que é Backing?

Linha trançada de dracon com 40 a 200m (varia conforme a capacidade do carretel), que une a carretilha e a linha de fly e tem como função ser a linha adicional, para o caso do peixe fisgado tomar toda a linha principal durante a briga.





O que é leader?

Entre a linha de fly e a mosca temos o LEADER – uma linha transparente (pode ser usado o monofilamento de nylon) – normalmente com formato afunilado, medindo entre 1,8 a 3,6 metros. A extremidade mais grossa é fixada na linha de fly e sua função é apresentar com suavidade a isca. O pescador pode juntar várias bitolas de linhas e diminuir até chegar ao pretendido ou então optar pelas cônicas (industrializadas) ou trançadas (artesanais).

Dica: leader bem montado resulta em boa apresentação da mosca que é o indicado para peixes mais exigentes. Para os que não precisam de tanta precisão, você pode simplificar na montagem.
O que é Tippet?

E na parte mais fina atamos o TIPPET (mede de 30 a 40 cm e segue o diâmetro final da redução do leader) sendo extremamente fina para apresentar moscas muito pequenas ou então uma adequada para apresentar moscas maiores para a pesca de peixes de grande porte.

A cada troca de isca ou caso fique corroído é necessário cortar, assim vai diminuindo o comprimento, prejudicando o nado natural da mosca. Para corrigir, o pescador leva na sua tralha alguns rolos de tippets de várias bitolas para refazê-las durante a pescaria.



Segue quadro para auxilio na escolha da bitola do tippet x anzol:



* IMPORTANTE *

Definido o peixe alvo, escolhemos as iscas e, a partir daí a numeração que pode levar estas até o peixe. Por exemplo, se for número 4, todo o conjunto (linha, carretilha e vara) vai seguir esta indicação.


Comentários