Black Bass, Dicas e técnicas para você pescar este verdinho esportivo





Voraz, agressivo e combatente são as características que colocam o black bass (Micropterus salmoides) entre os peixes mais apreciados da pesca esportiva em água doce. Além da resistência na fisgada, a espécie também chama a atenção dos pescadores pelos saltos que dá na superfície da água.

A carne saborosa é outra qualidade do black bass notada por quem o experimenta em diferentes receitas culinárias. 

Salmonídeo exótico, o black bass é originário de lagos e pequenos rios da região sudeste dos Estados Unidos e está presente em diversos países do mundo. Aqui, vive a variedade largemouth bass, nome que foi dado ao peixe por conta do tamanho grande de sua boca. Um peixe presente em todos os estados da região Sul e Sudeste do Brasil.

Apesar de não ter dentes, possui uma espécie de lixa na boca que permite agarrar as presas com força. A baixa variação genética encontrada nos exemplares brasileiros raramente permite que eles engordem mais de três quilos, bem abaixo dos dez quilos que chegam a ser registrados entre a diversidade de variedades e híbridos de “bass” existente em rios e lagos americanos.

O Black Bass pode ser capturado o ano todo, mas principalmente do mês de agosto até maio, sendo os melhores meses os de setembro e outubro quando ele se prepara para a reprodução e ataca praticamente tudo que passa a sua frente.


Faça sempre muito silêncio quando estiver pescando Black Bass, pois este peixe é muito arisco, fugindo ao menor sinal de perigo. Famoso pelo tamanho de sua boca e por ser bem agressivo, o Black bass é pescado preferencialmente com iscas artificiais.

O Black é um peixe muito exigente, é preciso testar vários tipos de isca até descobrir qual funciona melhor em determinada época. Nos períodos mais frios, é preciso insistir, arremessando iscas de meia-água e de fundo mais de uma vez num mesmo local.



Para melhorar suas chances com o bass, use equipamento leve, linhas finas de fluorcarbon e anzóis bem afiados são uma boa pedida. Além de aumentarem a sensibilidade, ajudam muito na fisgada.

Com o auxílio de um barco com motor de popa e motor elétrico, devem-se procurar locais com estrutura tipo: paus, pedras, desbarrancados, etc.

Procede-se arremessando-se a isca o mais próximo possível dessas estruturas, trabalhando-as lentamente. No caso de se utilizar minhocas artificiais, deve-se ter muita sensibilidade para sentir o Black Bass abocanhar a isca, pois a principal característica deste peixe é a sutileza com que ataca as suas presas. Por isso, em caso de dúvida, deve-se fisgar com força para que o anzol rompa a minhoca e fisgue o peixe.


ISCAS: 




Iscas Naturais
As iscas naturais mais produtivas na pesca do Bass são as Minhoca e os Lambaris, sem muito segredo para pesca-los.

Iscas Artificiais: 

Fenwick (bananinha) excelente isca para captura-los em superfície, iscas pequenas de meia água e os plugs e Spiner baits. Tenho usado muitas iscas de superfície da marca Tropical Frog como a Perereca e o Baby Frog. Ambas tem são ótimas iscas para pescar os verdinhos na superfície sem falar que são muito resistentes.

A minhoca artificial tem grandes vantagens em relação aos plugs. Primeiro, por causar bem menos estardalhaço ao atingir o alvo, já que seu volume é menor e seus movimentos são mais naturais e delicados.



No entanto, para muitos, a pesca com minhocas é mais complicada, pois exige do pescador uma sensibilidade à flor da pele, sob pena do peixe perceber que se trata de um objeto estranho antes da fisgada. O sistema Split Shot, também conhecido com Carolina Worm, criado pelo norte-americano Jack Cancellor, e veio substituir o sistema Texas Rig no qual o chumbo vem imediatamente após o conjunto de anzol e a minhoca.

É comum neste sistema, se perceber as estrias deixadas no chumbo pelas placas dentígeras dos Basses. Ou seja, o chumbo atinge a boca do Bass, que já tem ai o primeiro indício de que algo estanho está acontecendo. Em seguida o peixe estanha a diferença entre a minhoca natural e a artificial e mais que depressa a expele. Outro problema que merece destaque, também encontrado no sistema Texas Rig, diz respeito ao toque do chumbo nos lábio do peixe e que pode até afugentá-lo.

Esses pequenos detalhes, que podem parecer mania de pescador, interferem muito no resultado de uma boa pescaria. Já no Split Shot o chumbo fica de 30 a 40 cm de distância do anzol, a minhoca chega com muito mais leveza ao alvo.

O Bass sugará a minhoca sem qualquer obstáculo, tardando a constatar que se trata de uma isca artificial. Estes poucos segundos são de grande importância, pois permite ao pescador tempo para uma resposta mais eficaz, que resulta em uma fisgada vigorosa.

É necessário ressaltar que, com a ausência do chumbo próximo ao anzol, a resistência da água facilita a evolução da minhoca artificial, que se traduz num balé extremamente sedutor para o bocudo. E estas observações, porém, não tem nada de científico. São apenas produtos de observação.

Abaixo , podemos observar dois sistemas de chicotes excelentes para a pesca do black bass , o carolina rig e texas rig , que permitem trabalhar vários modelos de iscas em silicone , como minhocas e criaturas .





Comentários